Paulo Teodoro de Matos, Paula Baltazar

The Indians in the urban settlements in Amazonia in the late 18th century: a demographic perspective

Paulo Teodoro de Matos, Paula Baltazar


Article information

Volume: XI Issue: 2, Pages: 93-114
Paulo Teodoro de Matos
CHAM – Center for Overseas History, FCSH/NOVA University, 1069-061, Lisbon, Universityof the Azores, Ladeira da Mãe de Deus, 9501-855 Ponta Delgada, Portugal
plmatos@fcsh.unl.pt
Paula Baltazar
FCSH/NOVA University, 1069-061, Lisbon, Portugal
pbaltazar@fcsh.unl.pt


Abstract

The territorial conflict in Iberian America in the middle of the 18th century, as the result of the Treaty of Madrid (1750), prompted the Portuguese authorities to create a significant number of new villages in Amazonia. It was their intention to guarantee the possession of vast territories located far beyond the meridian of Tordesilhas (1494), in particular those close by the rivers Amazonas, Branco, Madeira e Solimão. Most of these new villages, previously administrated by the ecclesiastical authorities, were occupied by indigenous.
Unfortunately, the information about living standards of indigenous peoples and their distribution between rural and urban areas is still scarce in a macro perspective. Therefore, the population maps (“mapas da população”) for the captaincies of the late eighteenth century provide a great opportunity to better understand unique demographic characteristics of Amerindian villages.

Keywords: Indians, Brazil, colonial population, urban populations

References

Azevedo, A. (1994). “Vilas e cidades do Brasil colonial (Ensaio de geografia urbana retrospectiva”. Terra Livre. Geografia, Espaço e Memória 10: 23-78.

 Coelho, M. C. C. (2005). Do sertão para o mar – um estudo sobre a experiência portuguesa na América, a partir da colônia: o caso do diretório dos índios (1751-1798)“. [PhD thesis]. São Paulo: Universidade de São Paulo.

 Dias, M. N. (1989), “Conquista e colonização da Amazónia no século XVIII”. In Albuquerque, L. (ed.). Portugal no Mundo.  vol. V.  Lisboa: Publicações Alfa.

 Domingues, Â. (1995). “Urbanismo e colonização na Amazónia em meados do século XVIII: a aplicação das reformas pombalinas na capitania de S. José do Rio Negro”.  Revista de Ciências Históricas  10: 263-273.

 Domingues, Â. (2000). Quando os índios eram vassalos. Colonização e relações de poder no Norte do Brasil na segunda metade do século XVIII. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses.

Ferreira, J. A. P. (1965), “ Mappa geral da população dos índios aldeados em todas as povoaçõens das capitanias do estado do Gram Pará e S. Jozé do Rio Negro no 1º de Janeiro de 1791”. Actas do V Colóquio Internacional de Estudos Luso-Brasileiros. vol. I. Coimbra.

 Fonseca, A. (2017). “Os mapas da população no Estado do Grão Pará: consolidação de uma população colonial na segunda metade do século XVIII”. Revista Brasileira de Estudos da População (Article under print kindly provided by the author).

 Hoberman, L. S. (1990). Cities & Society in Colonial Latin America. Albuquerque: University of New Mexico Press..

 Junior, O., Martins, R. (2016), “Epidemia y esclavitud en la Amazonia (1748-1778)”. Obradoiro de Historia Moderna  25: 115-142.

 Junior, J. (2016), “As autoridades indígenas nos aldeamentos no tempo do Directório: principais e oficiais”. In Chambouleyron, R. and de Souza, J. A. J. Novos olhares sobre a Amazónia colonial.  Belém: Paka-Tatu.

 Matos, P. T., Sousa, P. S. (2015). “A Estatística da população na América Portuguesa, 1750-1820”. Memorias. Revista Digital de Historia y Arqueologia desde el Caribe Colombiano  11( 25): 73-103.

 Mello, M. (2015). “Contribuição para uma demografia do Estado do Grão Pará e Maranhão, 1774-1821”. Anais de História de Além-Mar 16: 228-253.

Oliveira, L. (2008), “A importância dos tupinanbá na formação da vila de Bragança – Estado do Grão Pará: 1740-1760”.  In XIII Encontro de História ANPUH-Rio.  http://encontro2008.rj.anpuh.org/resources/content/anais/1212954877_ARQUIVO_ARTIGOparaoRIODEJANEIRO.pdf

Silva, D. D. (2008). “The Atlantic Slave Trade to Maranhão, 1680-1846: Volume, routes and organisation”.  Slavery & Abolition 29 (4):  477-501.

Torres, S. M. (2009). “Projectos coloniais: antagonismo e confluência nas povoações e fronteiras da Amazónia Setecentista”. In Doré, A., and de Almeida Santos, A. C. (eds).  Temas Setecentistas. Governo e populações no império português. Curitiba: UFPR/SCHLA – Fundação Auracária.